Maia admite dificuldade para aprovar MP que altera reforma trabalhista!

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, admitiu nesta 4ª feira (14.mar.2018) ter dificuldades para votar a medida provisória que mitiga os efeitos da reforma trabalhista. Disse que “o tempo está curto para avançar na matéria”.

A MP 808 (íntegra) já foi prorrogada uma vez. Perde vigência, definitivamente, em 23 de abril. Conta com 967 propostas de emendas, ou seja, sugestões de modificações no texto encaminhado pelo governo.

A comissão mista foi instalada na semana passada, mas ainda há disputa para ver quem fica na relatoria: se o deputado Bebeto (PSB-BA) ou Rogério Marinho (PSDB-RN). O presidente da comissão seria Gladson Cameli (PP-AC), mas o senador entregou uma carta ao presidente do Congresso, Eunício Oliveira (MDB-CE), abrindo mão da função. Ao Poder360, afirmou que seria 1 trabalho tenso e delicado para 1 ano eleitoral. Cameli é pré-candidato ao governo do Acre.

“Eu preferi abrir mão para não politizar a situação, na certeza de que não estaria com o tempo hábil para fazer meu trabalho na comissão”, disse. Cameli afirmou que precisará viajar por conta do ano eleitoral e não poderá estar presente para discutir a matéria, considerada polêmica.

A MP foi uma promessa de Michel Temer e do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), para conseguir a aprovação da reforma trabalhista pelos senadores. Se perder a validade, voltam a vigorar pontos que o texto alterava na reforma, como:

  • acordo individual: possibilidade de acordo individual entre empregado e empregador para jornada de 12 horas seguidas de trabalho por 36 horas de descanso;
  • grávidas em ambiente insalubre: possibilidade de gestantes e lactantes trabalharem em ambientes de grau médio e mínimo de insalubridade;
  • contrato com exclusividade: volta da cláusula de exclusividade para contratos de trabalhadores autônomos, que não poderão servir a mais de 1 tomador;
  • gorjetas: podem voltar a ser contabilizadas como receita própria dos empregadores.

Sindicatos patronais e de empregados acham que a indefinição sobre validade ou queda da MP é o pior dos mundos. Não há segurança quanto ao que vale agora e o que valerá depois. Nem se a Justiça decidirá retroativamente sobre contratos assinados durante a vigência da MP.

MPS PENDURADAS

Outras 3 MPs relevantes vencem em abril. Têm poucas chances de passar:

  • a que adia reajuste de salários de servidores: a Justiça suspendeu efeitos da MP. Deve caducar;
  • a que altera tributação dos fundos fechados: o governo considera que o texto desidratado aprovado pela comissão não vale a pena;
  • a que prorrogava prazo do Refis até novembro: adesão foi encerrada. MP já cumpriu seu papel.

Fonte: Poder 360

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

Responda a questão abaixo *

Join the mailing list

Check your email and confirm the subscription

Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On InstagramCheck Our Feed